Como podemos te ajudar?

Espiritualidade em Cuidados Paliativos é tema de palestra nas Faculdades Prominas

Espiritualidade em Cuidados Paliativos é tema de palestra nas Faculdades Prominas

A palestra atraiu estudantes e profissionais da saúde de Montes Claros

Por Rodrigo Barbosa

As Faculdades Prominas realizaram na noite da última sexta-feira (04), uma palestra para estudantes e profissionais da saúde de Montes Claros. O palestrante convidado foi o médico Paliativista e membro do Grupo “Mãos que Cuidam”, do Hospital Dilson Godinho, o doutor Cláudio Henrique Rebello Gomes, que falou sobre “Espiritualidade em Cuidados Paliativos”.

Segundo o INCA – Instituto Nacional de Câncer, os cuidados paliativos têm como objetivo promover a qualidade de vida do paciente com doença grave e progressiva, além de seus familiares através da prevenção e alívio do sofrimento. Na palestra, Cláudio Henrique enfatizou que a espiritualidade é importante no processo de cuidado com os pacientes. O médico explica que “é necessário haver a ligação do profissional de saúde com sua espiritualidade, pois sem essa conexão, ele não consegue entender os porquês das coisas. O aspecto primordial que o profissional deve ter é primeiro se tratar para ser capaz de ajudar o outro”, destacou o médico.

Quem já viveu uma situação de doença grave e sem cura sabe o quanto é doloroso à angustia. Jussiara Vieira Ribeiro, cirurgiã dentista, contou que os cuidados paliativos foram relevantes em uma fase difícil que viveu. “Há um ano perdi minha mãe, porém durante toda essa fase tivemos suporte, desde preparar a família até à conversa com ela. Todo o processo que passamos no hospital foi fundamental para que não houvesse sofrimento. Devido isso quero aprofundar neste assunto de espiritualidade e entender os aspectos importantes da vida”, disse.

O vice provedor do Hospital Aroldo Tourinho, Bernardo Brant, esteve presente e afirmou que a palestra foi produtiva. “O doutor Cláudio Henrique está de parabéns! Foi uma palestra esclarecedora para mostrar que apesar de o ser humano não estar preparado para a morte, os cuidados paliativos vêm nos mostrar que é possível conviver com essa realidade e lidar com o doente, a família e o cuidador”, disse.